Câncer de Rins

Man holding his stomach pain in his side

Os rins são um par de órgãos em forma de “feijão” que ficam alojados atrás dos órgãos abdominais, um em cada lado da coluna. O câncer de rins ocorre quando há uma multiplicação anormal de células nestes órgãos, levando a formação de nódulos e tumores que podem ser benignos ou malignos. 

Em adultos, o carcinoma de células renais é o tipo mais comum da doença, mas outros tipos menos comuns podem ocorrer. A incidência do problema parece estar aumentando no mundo, o que pode ser explicado pelo avanço das técnicas de imagem, como a tomografia computadorizada, que são utilizadas com maior frequência nos exames. Estes testes também podem levar a descobertas “acidentais” de tumores renais quando pacientes fazem exames para verificar outros problemas e condições. 

Sintomas do Câncer de Rins

Como muitos outros tipos de câncer que afetam outras células dentro do organismo de um ser humano, o câncer de rins não costuma apresentar sintomas em seus estágios mais iniciais. Conforme a doença avança, no entanto, o quadro muda e os primeiros sinais aparecem:

  • Sangue na urina, que pode aparecer rosa, vermelha ou cor de cola;
  • Dor contínua nas costas ou laterais do corpo;
  • Perda de apetite;
  • Perda inexplicável de peso;
  • Cansaço;
  • Febre.

Causas 

A maioria dos cânceres renais não possui causa clara, mas existem alguns fatores de risco que parecem desencadear os processos que levam à formação de tumores. 

As células passam a se reproduzir de maneira descontrolada quando ocorre alguma mudança em seu DNA, que contém informações e instruções que dizem o que a célula deve fazer e como se comportar. Quando ocorrem essas mudanças, as instruções mudam, desencadeando uma multiplicação muito rápida e descontrolada.

Entre os fatores que parecem potencializar a formação de câncer nos rins, temos:

  • Idade – pacientes acima de 60 possuem um risco maior de desenvolver a doença; 
  • Tabagismo – os fumantes têm maior risco de desenvolver câncer renal do que não fumantes. Este risco pode ser reduzido quando o paciente para de fumar. 
  • Obesidade – pessoas obesas também possuem maiores chances de desenvolver o problema;
  • Tratamentos prévios para insuficiência renal – pessoas que fazem hemodiálise a longo prazo como tratamento para problemas crônicos de rins parecem ser mais susceptíveis ao carcinoma de células renais;
  • Histórico familiar – o risco é maior quando familiares próximos já tiveram a doença.

Diagnóstico e Tratamento

Os testes e procedimentos usados para diagnosticar o câncer renal incluem exames de sangue e urina, que podem dar pistas ao médico sobre o que está causando os sinais e sintomas; testes de imagem, que permitem visualizar o tumor ou qualquer outras anormalidade renal e incluem exames de raios-x, tomografia computadorizada ou ressonância magnética e remoção de amostra de tecido renal, também chamada de biópsia, onde um pequeno pedaço do rim é removido por meio de uma cirurgia para ser analisado em laboratório para procurar sinais de câncer. 

Depois de confirmada a presença de um tumor, o médico irá determinar qual a extensão (estágio) dele. Para fazer isso, podem ser solicitados outros exames, incluindo tomografias computadorizadas adicionais. 

Os estágios de câncer são indicados por algarismos romanos de I a IV, com os estágios mais baixos indicando casos onde a doença ainda está restrita aos rins e os mais altos indicando casos mais avançados, onde o câncer pode ter se espalhado para os gânglios linfáticos ou outras áreas do corpo. 

O tratamento do câncer de rim geralmente começa com uma cirurgia para remover o tumor. Este procedimento pode ser o suficiente para tratar os casos mais simples, em estágios iniciais onde a doença ainda está restrita somente aos rins. 

Os estágios mais avançados podem precisar de tratamentos adicionais, cuja abordagem depende de alguns fatores, como o estado da saúde geral do paciente, o tipo de câncer renal que ele possui, o seu estágio e as próprias preferências de tratamento do paciente. 

A nefrectomia, ou cirurgia de remoção do rim, pode ser completa ou parcial. 

No caso da cirurgia total, todo o rim afetado pelo câncer é removido, juntamente com uma porção de tecido circundante. Se for o caso, os gânglios linfáticos e a glândula adrenal também podem ser removidos.

Já na nefrectomia parcial, também chamada de cirurgia de preservação do rim, o cirurgião remove o tumor de uma pequena porção do rim afetado, mantendo todo o tecido saudável que o envolve. Este procedimento pode ser feito de maneira aberta, laparoscópicamente, ou com assistência robótica. 

A cirurgia de preservação renal é uma forma comum de tratamento para tumores pequenos, benignos e pode ser uma opção para pacientes que possuem apenas um rim. Ela sempre é preferida a uma cirurgia total para preservar a função renal e evitar complicações futuras, como a necessidade de hemodiálise. 

Se, mesmo após a cirurgia, o paciente ainda precisar de tratamento, existem algumas opções. Pequenos tumores também podem ser destruídos por meio de terapias não cirúrgicas, como choque de calor e frio. 

Terapia Direcionada:

Os tratamentos com medicamentos direcionados se concentram em anormalidades específicas presentes nas células cancerosas. Ao bloquear essas anormalidades, estas terapias podem causar a morte dessas células. Antes de ser executado,o médico precisa avaliar qual o tipo das células cancerosas que o paciente apresenta. 

Imunoterapia:

A imunoterapia usa seu sistema imunológico para combater os tumores. O sistema imunológico de combate a doenças do seu corpo pode não atacar o câncer porque as células cancerosas produzem proteínas que as ajudam a se esconder dos mecanismos de defesa do organismo. A imunoterapia age interferindo nesse processo.

Testes clínico:

Os ensaios clínicos são estudos de investigação que lhe dão a oportunidade de experimentar as mais recentes inovações no tratamento do cancro renal. Alguns destes avaliam a segurança e eficácia de tratamentos potenciais, enquanto outros tentam encontrar novas maneiras de prevenir ou detectar doenças. Se você estiver interessado em experimentar um ensaio clínico, discuta os benefícios e riscos com seu médico.

Caso você esteja apresentando algum sintoma descrito neste artigo, ou suspeite que possa estar com câncer renal, agende uma consulta. Você pode entrar em contato com nossa equipe aqui