Cálculo Renal – Causas, quais os sintomas e tratamento

Cálculo renal: como ocorre e quais os sintomas

As pedras nos rins, cujo nome médico é cálculo renal, são depósitos duros feitos de minerais e sais que se formam no interior dos rins. Elas podem ser causadas por dietas problemáticas, excesso de peso, algumas condições médicas e certos suplementos e medicamentos. Este problema pode afetar qualquer parte do trato urinário, dos rins à bexiga e, normalmente, se forma quando a urina se concentra, permitindo que os minerais se solidifiquem e colem uns nos outros. 

A passagem de pedras nos rins pelo ureter pode ser muito dolorosa, mas geralmente não causa danos permanentes se for reconhecida em tempo hábil. Dependendo da situação do paciente, pode ser preciso apenas o uso de analgésicos e beber muita água para eliminar um cálculo renal. Em outros casos – por exemplo, caso eles se alojem no trato urinário, pode causar uma infecção urinária ou complicações mais sérias, requerendo cirurgia para serem eliminados. 

Sintomas

Um cálculo renal geralmente não causa sintomas até que se mova dentro dos rins ou passe para os ureteres – os tubos que conectam os rins à bexiga. Se ficar alojada em um dos ureteres, uma pedra pode bloquear o fluxo de urina e fazer com que o rim inche e o ureter tenha espasmos, o que pode ser muito doloroso. Nesse ponto, você pode sentir estes sintomas:

  • Dor forte e aguda na lateral e nas costas, abaixo das costelas;
  • Dor que se irradia para a parte inferior do abdômen e virilha;
  • Dor que vem em ondas e flutua em intensidade;
  • Dor ou sensação de queimação ao urinar;
  • Urina rosa, vermelha ou marrom;
  • Urina turva ou com odor desagradável;
  • Uma necessidade persistente de urinar, urinar com mais frequência do que o normal ou urinar em pequenas quantidades;
  • Náusea e vômito;
  • Febre e calafrios se houver infecção.

A dor causada por uma pedra nos rins pode mudar de localidade conforme a pedra se move pelo trato urinário. Caso apresente quaisquer sintomas apresentados acima, marque uma consulta com seu médico urologista. Você pode entrar em contato com a equipe do Dr. Bruno Almeida aqui

Causas

Saber o tipo de cálculo renal que você tem ajuda a determinar sua causa e pode fornecer dicas sobre como reduzir o risco de ter reincidência deste problema no futuro. Se possível, tente salvar sua pedra nos rins, caso elimine uma, para que possa levá-la ao médico para análise.

Os tipos de cálculos renais incluem:

  • Pedras de cálcio. A maioria das pedras nos rins são pedras de cálcio, geralmente na forma de oxalato de cálcio. O oxalato é uma substância produzida diariamente pelo fígado ou absorvida pela dieta. Certas frutas e vegetais, bem como nozes e chocolate, têm alto teor deste minério.

Fatores dietéticos, altas doses de vitamina D, cirurgia bariátrica e vários distúrbios metabólicos podem aumentar a concentração de cálcio ou oxalato na urina.

Também podem ocorrer na forma de fosfato de cálcio. Esse tipo de cálculo é mais comum em condições metabólicas, como a acidose tubular renal ou estar associado a certos medicamentos usados ​​para tratar enxaquecas ou convulsões, como o topiramato.

  • Pedras de estruvita. Cálculos de estruvita se formam em resposta a uma infecção do trato urinário. Essas pedras podem crescer rapidamente e tornar-se bastante grandes, às vezes com poucos sintomas ou pouco aviso.
  • Pedras de cistina. Formam-se em pessoas com um distúrbio hereditário denominado cistinúria, que faz com que os rins excretem uma quantidade excessiva de um aminoácido específico.

Existem ainda uma série de fatores considerados de risco para as pedras nos rins. Por exemplo, o histórico familiar possui importância ímpar neste aspecto, já que, se alguém em sua família já teve cálculo renal, as chances de que você também venha a desenvolver este problema são maiores. E se você já teve este problema, as chances de que venha a passar pela mesma situação no futuro também é grande.

Não beber água o suficiente diariamente também pode aumentar o risco de desenvolver pedras nos rins. Pessoas que vivem em climas quentes devem ter ainda mais cuidado com a sua hidratação, já que perder alto teor de água por meio da transpiração. 

Algumas dietas, especialmente as ricas em proteína, sódio (sal) e açúcar podem aumentar o risco de desenvolvimento de alguns tipos de cálculo renal. Muito sal em sua dieta aumenta a quantidade de cálcio que os rins devem filtrar e absorver, aumentando significativamente o risco.

Doenças digestivas e metabólicas, bem como as cirurgias utilizadas para controlá-las, como o bypass gástrico, podem causas alterações no processo digestivo, afetando a absorção de cálcio e água, o que aumenta a presença de substâncias formadas de cálculos na urina. 

Diagnóstico e Tratamento

Alguns exames podem ser realizados para confirmar uma suspeita de cálculo renal:

  • Teste de sangue. Os exames de sangue podem revelar excesso de cálcio ou ácido úrico no sangue, e seus resultados ajudam a monitorar a saúde dos rins, bem como de outras partes do corpo que possam estar passando por problemas.
  • Teste de urina. O teste de coleta de urina de 24 horas pode mostrar que você está excretando muitos minerais formadores de pedra ou poucas substâncias que impedem a formação de pedras. Para este teste, seu médico pode solicitar que você faça duas coletas de urina em dois dias consecutivos.
  • Exames de imagem. Os exames de imagem são usados para mostrar cálculos renais no trato urinário. A tomografia computadorizada (TC) de alta velocidade ou dupla energia pode revelar até mesmo pedras minúsculas. Raios-X abdominais simples são usados ​​com menos frequência porque esse tipo de exame de imagem pode não detectar pequenas pedras nos rins.
  • Análise de pedras passadas. Caso o paciente já tenha expelido alguma pedra naturalmente, pode ser solicitado que leve o cálculo para análise. O urologista usa essas informações para determinar o que está causando as pedras nos rins e para formar um plano para prevenir a formação de novos cálculos.

Tratamento

O tratamento para pedras nos rins pode ser mais ou menos agressivo, dependendo da intensidade do problema. Para casos com sintomas mínimos, a recomendação médica é aumentar o consumo de água potável para manter a urina diluída e ajudar na expulsão de cálculos já formados. A elevação no consumo de água também pode ser associada com o uso de analgésicos que reduzem a dor causada pela passagem de uma pedra pelos canais urinários. 

Além disso, existem medicamentos conhecidos como bloqueadores alfa que relaxam os músculos do ureter, permitindo uma passagem mais fácil do cálculo. 

Agora, se o paciente possuir pedras grandes ou que causam sintomas mais problemáticos podem precisar de tratamentos mais intensos. Entre as opções, temos o uso de ondas sonoras para quebrar as pedras e facilitar sua eliminação. Esta terapia é chamada de litotripsia extracorpórea por ondas de choque. 

Caso uma abordagem não cirúrgica não funcione, o urologista pode recomendar uma nefrolitotomia percutânea, procedimento que envolve a remoção cirúrgica de um cálculo renal usando pequenos telescópios e instrumentos inseridos por meio de uma pequena incisão nas costas. 

Agende uma consulta caso suspeite, por qualquer motivo, que possa estar com pedras nos rins e imediatamente procure por possíveis causas para o problema. A prevenção ainda é a melhor maneira de lidar com este problema, por isso, atente-se à sua dieta, reduzindo o sódio e beba mais água. Seus rins agradecem.